30 anos de “The Joshua Tree”

0

O álbum mais popular dos U2, “The Joshua Tree”, saiu há precisamente 30 anos. O aniversário do álbum é precisamente hoje, um dia em que, mais que nunca, é uncool falar nos U2. Mas como ignorar um álbum que mudou a vida de tanta gente? A minha mudou.

Há vários prismas por onde olhar para “The Joshua Tree”, sendo o mais óbvio o seu sucesso: vendeu 25 milhões de cópias; é o álbum mais vendido dos U2 e um dos mais vendidos de sempre; ganhou o Grammy de Álbum do Ano e é presença habitual nas listas dos melhores álbuns para as principais publicações. Não admira por isso que este tenha sido o álbum que consagrou os U2 como ‘a maior banda do planeta’, um título que os próprios inventaram para si e que mantiveram durante mais alguns anos, mesmo quando (e principalmente quando) decidiram desmanchar tudo para refazer de novo.

“The Joshua Tree” é o produto de maturação de uma década, foi a cristalização de um caminho que os U2 percorreram durante 10 anos e onde em breve se veriam encurralados. É o quinto álbum da banda e contém todos os elementos com que foi polvilhando a sua discografia ao longo dos anos 80.

Mal deixamos cair a agulha, somos submergidos pela solene introdução ambiente de “Where The Streets Have No Name”, uma marca-de-água de Brian Eno, que estende a passadeira para a entrada da marca-de-água de The Edge (e dos U2) — “o riff” que ecoa ao infinito. Já tínhamos ouvido variações d’”o riff” em temas tão longínquos como “The Electric Co.”, ou mais proximamente em “Pride (In The Name Of Love)”; mas é aqui que a imagem de marca da sonoridade dos U2 se cristaliza.

A introdução solene dá o mote para o traje polido e grandioso que os U2 pretendem dar ao álbum. Tudo em “The Joshua Tree” soa grande, grandioso, grandiloquente; é o gospel de “I Still Haven’t Found What I’m Looking For”, são os prantos de “With Or Without You”, o sermão de “Mothers Of The Disappeared”, a fúria de “Exit”, a pregação (e a fúria) de “Bullet The Blue Sky”.

A forma como as canções de “The Joshua Tree” ainda ressoam no público, o que mantém o álbum relevante. Não importa se Bono apoia o Pence ou critica o Trump, porque no fim do dia o que interessa é aquela noite em que dançámos agarradinhos ao som de “With Or Without You”; ou quando gritámos com um amigo a plenos pulmões, abraçados e já com os copos, que “as ruas não têm nome” enquanto fazíamos juras de amizade eterna; ou quando sozinhos ouvimos o Lado 2, de canções desconhecidas e só nossas e de repente deixámos de estar sozinhos. Momentos que marcam, memórias que ficam e que eternizam “The Joshua Tree”.

O grande paradoxo de “The Joshua Tree” encerra no título de um dos seus três hits: “I Still Haven’t Found What I’m Looking For”. Porquê? Porque como diria o José Hermano Saraiva, foi aqui, foi exactamente aqui que os U2 encontraram aquilo que procuraram toda a sua carreira. E foi daqui que passaram os 10 anos seguintes a tentar fugir com “Achtung Baby”, “Zooropa”, “Pop” e “Passengers”, depois de esgotarem a fórmula em “Rattle And Hum”; e foi aqui que tentaram desesperadamente voltar depois disso, com os mais melódicos “All That You Can’t Leave Behind” e “How To Dismantle An Atomic Bomb”.

Por fim, este ano os U2 voltam sem medos às suas origens e voltam a levar o álbum quintessencial da sua discografia à estrada numa digressão que, para mal de nós, não passará por Portugal. Quem não tem saudades de uma noite ao relento na BP?

É a força das canções, o grande suporte de “The Joshua Tree”.

#JoshuaTree30years #U2 #JoshuaTree30anos 

por Claudia Salgado – FONTE: NIT

Campartilhe.

Sobre o Autor

Comentários desativados.